Quarta capa

Riscos no Barro lembra as incursões juvenis sobre a atividade maestral do pensar, uma espécie de iniciação na intelectualidade. O livro traz isso, ensaios que expressam essa fase germinadora de pesquisadores com grande potencial e que se encontram em verve desenvolvimento. Ensaios em que o narrador enquanto categoria é mapeado teoricamente, em busca de revelar o “puro em si” benjaminiano que precisa ainda hoje ser discutido, principalmente, quando se torna evidente o desejo por entender que o “problema do narrador” não se resolve, mas se aprofunda à medida que mergulhamos mais e mais no que hoje ainda chamamos de contemporaneidade, certos de que poderíamos dizê-la ambiguítas. Os novos estudos teóricos da narratividade e da narrativa contemporânea não seriam suficiente para revelar o que existe, mas caminha como nos ensaios em questão colaborando com o vasto bojo bibliográfico que encontramos na área de estudos de teoria literária. Na leitura e organização bem didática, saímos de um texto mais basilar ate alcançarmos um status mais denso de sua produção, mas fica claro a escolha do título, pois com ele caminhamos entre os ensaios tateado as discussões no barro (cru e ríspido) entre riscos (insight) e rabiscos (inserções, proposições) para se construir as elucubrações da contemporaneidade, em um caminho íngreme e irregular e recheado de Riscos no Barro.

Augusto Sarmento-Pantoja
Professor de Literatura Vernácula
Universidade Federal do Pará

De Roberto Del’Secchi

Professor Abilio Pacheco
Que maravilha de obra seu livro, Mosaico Primevo, leio e releio, fico encantado com seus lindos poemas.
Li as palavras dos meus amigos de tantos anos, Humberto Del Maestro e de Ricardo Alfaya, eles paticiparam em nossos Volumes da Antologia Del’Secchi, foram uns dos primeiros. Achei lindo, na página 45, Réquiem for Rômulo
Seu livro, contém, versos profundos, palavras precisas e nos comove.
Coincidência, eu também trabalhei como eletricista, em nossas edições vários autores de Marabá se fizeram presentes.
Eu também adoro, Gonçalves Dias, é lindo os seus (Primeiros Cantos).
Mostrarei com prazer aos confrades das Academias de Letras as quais pertenço este lindo e precioso livro de sua autoria.
Roberto Del’Secchi por email em 25/03/2009.