Resenha – Mosaico Primevo

-Pacheco, Abílio. Mosaico primevo. Belém: edição do autor, 2008. – Por Paula Cajaty

À título de esclarecimento prévio, Abílio conta ao seu leitor que o mosaico do livro foi montado aos poucos, num ‘navegar por entre rochas’, trabalho artesanal e ininterrupto da vida. E, entre essas pedras no mar de si mesmo, Abílio avisa dos altos e baixos das marés.

Silvio Hollanda, prefaciando a obra, reconhece nela três temas nítidos, ligando os poemas: o questionamento da palavra poética, o tempo/memória afetiva e o sobrevoo na paisagem urbana.

Ao questionamento da palavra poética, o próprio poeta reconhece: ‘Quem sabe minha resposta ainda/ esteja no prelo’. Enquanto não se tem a resposta, continuamos perguntando, e em verdade é essa a inquietação que dá à luz a poesia.

Aliás, Abílio diz tecer versos. E será que tecer versos é abrir sulcos em si mesmo, ou apenas reparar nesses sulcos abertos pelo tempo? Isso o poeta não responde, mas oferece pistas em certos versos esparsos no texto onde exibe seus olhos-testemunhas, que envelhecem(‘Eu não tinha estes olhos de agora/ Tão rubros, tão turvos, tão vagos’), transcendem(‘e os meus olhos assustados e despertos/ Já não habitam mais em mim’), morrem(‘É preciso enterrar nossos olhos/Nossos dentes, nossas línguas, nossos tímpanos/ Já não mais nos ouvimos a nós’), e renascem(‘o meu grito se perde/ pelas frestas da porta/ rompe a rua silente/ e desperta os olhos de mim’), modificados e refundados(‘E sou, portanto, este olhar brilhante, (…) Que corre lento assim de encontro ao mar’).

Abílio segue tecendo sulcos em si mesmo, sangrando palavras da casca ríspida, áspera, buscando a essência do verso que reside por dentro, e oferece ao leitor esse néctar, dedicando-lhe o poema: ‘Para que tu, só tu possas sugar o cerne dos versos’.

Junto ao Mosaico Primevo, há o livro Poemia, uma espécie de segunda parte. Em Poemia, a noite se personifica, é testemunha, e repara nas máscaras que se usam na parte escura do dia (da vida), máscaras necessárias à boemia, momento em que se expurga a solidão e se promove a catarse de todo o trauma acumulado durante a parte clara, real e objetiva da vida.

Poemia é uno, apenas um poema separado em várias partes que representam as etapas necessárias para atravessar a noite – ou para a própria noite, ali personificada, atravessar-se a si mesma, até que ‘o tempo no relógio/ lhe acalente com sua eterna cantiga de ninar’.

Assim, Mosaico Primevo e Poemia de certa forma se unem, o primeiro à luz do dia, busca respostas. O segundo, no escuro, não precisa mais de respostas, prefere apenas esquecer a vontade de perguntar.

http://wp.paulacajaty.com/?p=2586

Comentario por Aurelio

Resenha feita por Uerbert Aurélio e publicada em:
http://www.skoob.com.br/livro/314574

A vida e seus conflitos

Em Despropósito, o Narrador e também personagem, Bartimário, conta a partir do que é possível lembrar, pois a memórioa é falha, os conflistos familiares vividos desde sua infância. Sem a figura paterna sobre a qual é possível se espelhar Bartimário que se rotula “bastardo”, mostra ao leitor um pouco do que viveu na sua fase de infância e adolescência até chegar à fase adulta, inclusive a entrada no mundo da sexualidade de um modo precoce como podemos constatar também em “Menino de Engenho” de José Lins do Rego.
O Enredo acontece, na maior parte, nas cidades de Marabá e Belém do Pará, e tem como pano de fundo o Massacre de Eldorado dos Carajás ocorrido em 1996 na cidade de mesmo nome, em que ocorreu a morte de 19 trabalhadores rurais “Sem terra”.
Em toda a trama o narrador vai entrelaçando esse conflito com a sua narrativa e sugere que o pai, grande possuidor de terras, esteja envolvido na morte dos 19 trabalhadores rurais.
Além de ser renegado pelo próprio pai, Bartimário nos mostra toda a complexidade da vida e como o subtítulo sugere, mixórdia, a vida pode ser uma verdadeira confusão, cheia de mal entendidos, coisas por dizer e que não são ditas, mas que ficam nas entrelinhas.
Para tentar se libertar do passado opressor e que continua a oprimi-lo no presente, ele opta por participar de sessões de terapia e decide contar sua própria vida através da escrita, a qual gerou o livro, para tentar se libertas da culpa que carrega.

Uerbert Aurélio de Sousa

Sobre o meditação ao tocantins

Sobre o Meditação ao Tocantinspor Airton Souza

O escritor, poeta, romancista, professor, antologista e outras definições mais, Abilio Pacheco nos brinda neste volume da Antologia Literária Cidade com a “meditação ao Tocantins”. Um apego amoroso à terra onde viveu grande parte de sua vida, a Cidade de Marabá. Neste texto, o eu-lírico, através das Memórias/Históricas, joga de forma lúdica com os termos. Vejamos por exemplos alguns versos: de olhos arenosos e rubros; a lata de quido loiro; que bem banham marabá; a voz não vale o verso olvido (grifos meu) estes versos nos mostram a consciência/consistência das palavras presentes no poema e o jogo consensual que só a linguagem pode permitir. Há um enigma indesvendável presente na “meditação ao Tocantins”. É verificável que o amor não ensinou, mas, fez crer. Como pode isso se suceder?