Boicote – a lógica

Boicote!! Boicote!

Boicote Havan! Boicote Marisa! Boicote Carefour! Boicote… o barzinho da esquina!

Eu ainda fico me perguntando qual o sentido dos boicotes a lojas cujos proprietários tenham praticado atos misóginos, homofóbicos, racistas… que tenham coagido funcionários a votar em “A” ou “B”, ou… o caso do cachorro foi meio fora da curva mas está na mesma toada.

Veja bem! Eu estou afinado com todas estas pautas não-hegemônicas!

A questão é: vale a pena boicotar (ou fechar) essas lojas e favorecer o desemprego de atendentes, caixas,embaladores, porteiros, estoquistas… sem estatística oficial, mas imagino que a maioria mulheres, mães solteiras, a maioria moradores de periferias ou áreas de vulnerabilidade social, a maioria negros e negras…

Os empresários, os proprietários, os donos… têm muita gordura para queimar. Têm reserva. Têm outras filiais. O prejuízo de uma loja com menos clientes ou de uma loja fechada nem se compara ao prejuízo que um funcionário pai de família tem ao ser demitido. A demissão representa a perda total de um orçamento familiar.Enquanto isso essas lojas continuam por aí. Seus donos nem de leve ou só de leve são afetados.

Vale a pena mesmo fazer boicotes?

dois pesos

– Então quer dizer que são dois pesos e duas medidas?
– Não. Devem ser uns 5 ou mais pesos e medidas. O arroz e o feijão são em quilogramas. A água e o suco em litros ou mililitros. A distância é em metros e quilômetros. O tempo em minutos e horas. A temperatura em graus. E por aí vai. Entendeu?

Doutrinadores

Se tem uma coisa perigosa neste mundo de meu Deus são os “doutrinadores”.
Os altares, os púlpitos, os cursos de direitos e as prateleiras de autoajuda estão cheios deles.
Todo cuidado é pouco! Vamos ler com desconfiança e transcrever com parcimônia.
Tem umas interpretações perigosas por aí, outras perigosíssimas.