abilio pacheco

professor de literatura (ufpa), escritor e revisor de textos

O futebol é uma caixinha

Posted by Abilio Pacheco em 24 de outubro de 2016

 

O Futebol é uma caixinha
Abilio Pacheco

A frase completa é “o futebol é uma caixinha de surpresas”. A frase já era clichê na década de 90 quando eu assistia futebol italiano nos domingos pela manhã junto com meu padrasto, e mamãe ficava impaciente pois a gente deveria era ir para a escola bíblica dominical. A frase, entretanto, é velha e “foi inventada pelo comentarista Benjamim Wright, pai do ex-árbitro José Roberto Wright” segundo o livro Guia dos curiosos. Para hoje a gente precisa completar a frase de outro jeito.

* * *

Ontem – para desopilar – parei tudo para tomar duas cervejas e assistir Flamengo e Corinthias pela 32ª rodada do Brasileirão. Confusões e mais confusões. E o gol do Flamengo foi visto como ilegal até pelos flamenguistas que lotavam a sala de estar da casa do meu irmão. Eu já vinha ruminando há dias uma explicação sobre o futebol e o Brasil. Afinal, deve haver explicações para que o futebol seja tão relevante na vida nacional a ponto de afirmarem que é uma marca de nossa identidade. Somos “O país do Futebol”. Por quê?

Vou esboçar uma resposta arriscada, sem base livresca e por isso mesmo meio irresponsável. Quem quiser uma base acadêmica para o assunto, vai ler “Veneno remédio: o futebol e o Brasil”, de José Miguel Wisnik [São Paulo: Companhia das Letras, 2008]. Aqui vou na base do achismo mesmo.

O brasileiro se identifica com o futebol por um enorme motivo que vou fatiar em dois: não é um esporte justo, pois o placar não condiz com a qualidade do futebol do time vencedor e porque a arbitragem…

Em qualquer esporte, principalmente coletivo, a possibilidade de uma equipe jogar pior e vencer é mínima. Não é uma equipe mais fraca vencer. Isso é possível em qualquer esporte. Um dia mais “iluminado” e de repente o Íbis vence o Santa Cruz, ou o Águia derrota o Fluminense. Não é isso a que me refiro! Digo é qualidade do jogo jogando. Ao contrário do vôlei, por exemplo, em que a estatística dos fundamentos reflete o resultado da partida, no futebol, uma equipe pode ter menos pose de bola, mais passes errados, menos tomadas de bolas, menos chutes a gol, menos escanteios, menos cobranças de laterais e até menos pênaltis e ganhar o jogo. No futebol, as estatísticas de todos os fundamentos podem apontar para a superioridade de uma equipe, mas se isso não se converter em mais gols, nada feito. Podem alimentar semanas de discussão, mas o melhor time nem sempre vence. Aquela máxima esportiva “que vença o melhor” simplesmente não vale para o futebol.

WhatsApp Image 2016-10-24 at 15.27.20.jpegOutro motivo – talvez o principal – para que o brasileiro goste tanto tanto de futebol são os erros de arbitragem (alguns nem parecem ser erros). Enquanto em outros esportes coletivos ou envolvendo bola (novamente o voleibol é um exemplo nesta comparação) o recurso eletrônico ou vídeo-tape (ou sei-lá como chamem) é usado, no futebol vale a decisão individual e muitas vezes personalíssima do juiz ou árbitro. E uma das piores coisas que tem neste esporte é o tal impedimento. (Na minha opinião não deveria existir essa regra. Em outro post eu explico) Ontem, o lance que mais irritou os torcedores do Corinthians (e de quem torcia pelo time paulista como eu) foi o lance do primeiro gol do Flamengo. O lance é exatamente igual (veja na imagem) ao que causou tanta polêmica na 30ª rodada do Brasileirão e que fez o Fluminense ir perder tempo no STJD. Os erros de arbitragem têm sido tão constantes, tão vergonhosos e tão determinantes para os resultados das partidas que parece que um time para garantir mesmo mesmo a vitória por um gol de diferença precisa ter um lastro grande, ou seja, futebol e boa pontaria para ganhar com uns três ou quatro de vantagem.

Claro que essas injustiças não são exclusividade do futebol. Podem acontecer em outros esportes. Erros de arbitragem podem ocorrer até com vídeo-tape, pois vai que a tal interpretação seja duvidosa. As decisões por arbitragem em artes marciais (boxe e judô, por exemplo) não são raras. O problema é que no futebol – e você com certeza já ouviu dizer isto: – os erros fazem parte do jogo. Quando o erro é a favor do meu time, eu ignoro e capitalizo. Lembro não sei quando que isso também ocorreu ao revés. Quando é contra, aí a gente faz um barulhão. Em geral, é assim. No fim, é engolir em seco. Nem digo ao Corinthians que peça o advogado do Fluminense emprestado, porque é certo que não vai dar em nada.

De injustiça em injustiça, o brasileiro vai levando. É na política, é na polícia, é nas escolas, é nas igrejas, é nas ruas… e vai tirando a mão da minha bandeira… pois o futebol é uma caixinha de… (completa aí).

Ps: Ah, você deve estar pensando: com mais pênaltis a favor é impossível perder uma partida. Pois perde. Em 1999, a Argentina teve três pênaltis a seu favor e perdeu para a Colômbia por três a zero. Martin Palermo perdeu os três pênaltis.

Marabá, 24 de outubro de 2016.

Abilio Pacheco
Professor universitário de literatura
Torcedor do Fluminense, frio e sem fanatismo
portanto, sem discussão sobre o meu tricolor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: