Sou passaro de fogo

Sou pássaro de fogo

O título poderia ser “impossível não se apaixonar por Paula Fernandes“. O leitor já deve ter percebido que sou meio avesso a títulos longos. Talvez já tenha percebido que procuro e prefiro os curtos e inusitados. Mas eu não sou pássaro de fogo. O título – o leitor que ouve rádio, assiste tv e aquele que gosta de música sertaneja já deve ter percebido – o título é um verso de uma das canções interpretadas por Paula Fernandes.

A cantora foi vista por mim pela primeira vez – e acredito que pela primeira vez por muitos – no show de fim de ano de Roberto Carlos (em 2010) (foto) e nos incessantes e saturantes noticiários televisivos. Falar dos dotes físicos da moça seria repetir o que o leitor já ouviu. Seria também trazer para esta página o apelo da sensualidade já tão banalizado por aí. Seria, então, fugir do propósito dessas crônicas: oferecer ao leitor algo só encontrado aqui.

Meu segundo contato Continue Lendo “Sou passaro de fogo”

Comentario por Aurelio

Resenha feita por Uerbert Aurélio e publicada em:
http://www.skoob.com.br/livro/314574

A vida e seus conflitos

Em Despropósito, o Narrador e também personagem, Bartimário, conta a partir do que é possível lembrar, pois a memórioa é falha, os conflistos familiares vividos desde sua infância. Sem a figura paterna sobre a qual é possível se espelhar Bartimário que se rotula “bastardo”, mostra ao leitor um pouco do que viveu na sua fase de infância e adolescência até chegar à fase adulta, inclusive a entrada no mundo da sexualidade de um modo precoce como podemos constatar também em “Menino de Engenho” de José Lins do Rego.
O Enredo acontece, na maior parte, nas cidades de Marabá e Belém do Pará, e tem como pano de fundo o Massacre de Eldorado dos Carajás ocorrido em 1996 na cidade de mesmo nome, em que ocorreu a morte de 19 trabalhadores rurais “Sem terra”.
Em toda a trama o narrador vai entrelaçando esse conflito com a sua narrativa e sugere que o pai, grande possuidor de terras, esteja envolvido na morte dos 19 trabalhadores rurais.
Além de ser renegado pelo próprio pai, Bartimário nos mostra toda a complexidade da vida e como o subtítulo sugere, mixórdia, a vida pode ser uma verdadeira confusão, cheia de mal entendidos, coisas por dizer e que não são ditas, mas que ficam nas entrelinhas.
Para tentar se libertar do passado opressor e que continua a oprimi-lo no presente, ele opta por participar de sessões de terapia e decide contar sua própria vida através da escrita, a qual gerou o livro, para tentar se libertas da culpa que carrega.

Uerbert Aurélio de Sousa