Meditação ao Tocantins

meditação ao tocantins

Abilio Pacheco

debruço-me em sua amurada
alto de álcool, ébrio de versos
memórias das tardes quentes
de olhos arenosos e rubros
garganta seca de gorjeios
caminhada pausada à borda
pendente na ponta dos dedos
a lata de líquido loiro

meu amor não me ensinou
a ser simples como um barquinho
deslizando nas águas dos rios
que bem banham marabá

***

ergo-me cotovelos doridos
olhos secos e rubis de luzes
laranjadas acinzentantes
do ocaso espelhado nas águas
a voz não vale o verso olvido
pouso dedos sob o queixo
no pomo que deglute goles

meu amor quis me fazer crer
na lição leve dos batelões
que cortam a paisagem
de fim de tarde em marabá

***

caminho em molejos gauches
como a vida fosse toda ela
essa paisagem, essa passagem
de vesperal fenecendo e sigo
pausados passos à borda
em clima de huzun, de lennui
curado/ampliado por lábios
beijando a borda gelada
de metal de pouco peso

meu amor não viu em mim
por paralelo a certeza
dos barcos e dos batelões
nessas águas a marulhar

***

baixo a bauxita lixiviada
o braço estende-se penso
a goela regada à cevada
a voz lubrificada e nova
para o verso que não vem
mas fica-me o aroma de malte
e de lúpulo em levedura
canto de ave aninhando

meu amor não me viu símile
de certeza singela e chã
em remos e quilhas seguras
nessas águas tocantinas

***

balanço os braços brandos
o corpo tonto e torto
neste caminhar de olhos,
ouvidos e boca de versos
palavras, sons e pausas
fito o ocaso desrubrando
a tarde deixada às costas
e a lâmina flúvia-chã aplainada
em calmaria de criação

embarcações dispersas e ausentes
viram versos livres, vorazes
e já não há voz a pedir simpleza
se sou todo fogo, água e ar

***

ouço o leito lento liso
ausente de banzos e banzeiros
refletindo pássaros silentes
em pontos e riscos pelo céu
de tetro lusco-fusco difuso
e de meus descompassos
de oblíquos passos líricos
cesuras, acentos e pausas
em leve entorpecimento

ao cais adernos de retorno
ressoam cadências desiguais
motivos ditados aos versos
a emergirem de vãos olvidos

***

esgoto todas as latinhas
de amarga água aloirada
preenchido a ponto de
pouca noção me restar
(feito fiapo de fita fina)
da tarde clara e vaga
e meu brado se faz aroma
de fruta madura vinhada
de doce azedura apurado

o verso abole o simplório,
o singelo agir, o sossego
inaprendido na lâmina dágua
a permanecer agora opaca

***

procuro porto e paragem
um locus de líteros litros
repouso a pernas e braços
costas, mãos e pensamento
de onde veja a noite vindo
desarrelio a olhos irritados
com seu manto estendido
de nítidos, claros lembrares

atracação à borda das águas
lentas ledas leves líricas
…………………….
e sou todo linguagem

 

Poema publicado na Antologia Literária Cidade – Volume 10.

3 respostas para “Meditação ao Tocantins”

  1. Muito lindo! Ainda percebo as pessoas tratando a Amazônia de forma muito caricata, encontrar versos assim faz a gente acreditar que ainda há sensibilidade pra tanta singularidade!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s