Ano novo (de)novo

Ano novo (de)novo

Não são raras as pessoas que dizem que o ano novo é apenas mais um dia, comum, como outro qualquer. Eu mesmo ajudo a aumentar a fila, mas fico meio de banda, pois de um ou outro modo um (novo) ciclo (re)inicia. O mundo continua o mesmo, igual, mas renovado, renovável.

A “ficção de que começa alguma coisa!”, como afirma Fernando Pessoa, ou “truque do calendário”, como prefere Mário Quintana, ou ainda “o milagre da renovação” em meio a “industrialização da esperança”, como afirma Drummond, é coisa de apreensão movediça e cabe para ela um conceito a ser tirado de cada cabeça, ou até da mesma cabeça em momentos diferentes da vida.

Continue Lendo “Ano novo (de)novo”