falando agua

Falando água

A região era inóspita, quente e seca, além do ar rarefeito; carecia de chuva. E de um milagre. Profetas, anciãos, pregadores… já haviam tentado rezas, orações, sacrifícios. A ciência também não deu jeito; quando foram bombardear as nuvens o céu estava limpo.

O filho do prefeito disse que deveriam chamar um primo parolador. Afinal, todos diziam que ele só falava água.

A primeira dama trouxe-o de uma cidade vizinha e levou-o a mais alta torre.

De lá o primo começou um discurso lento e longo. E úmido. Logo o calor e a aridez foram vencidos por gotículas de saliva.

Abilio Pacheco

Uma resposta para “falando agua”

  1. Interessante é lembrar tais caracerísticas verossímeis à vida. Associando o conto à realidade, o humor torna prazeroso esta pequena obra.
    Portanto, é notável a sensação que tais palavras causam no leitor, aproximando-o ao imaginário mundo literário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s