Cheiro de café

Cheiro de café

Não há nada que mais me pareça com a crônica que o cheiro do café.

É uma metáfora olfativa, sinestésica; não deveria explicá-la. Fico tentado a encerrar o texto por aqui. Continuo.Afinal posso até escrever contos curtos, mas ainda não optei por treinar as crônicas curtas, embora elas pareçam correr no meu dia a dia. Quem sabe eu tente ainda escrevê-las.

O cheiro do café: matutino, fresco, suave, de leve amargor… Caminhando pelo condomínio pela manhã, fazendo academia, assistindo ao noticiário matutino ou tentando se fechar do mundo num escritório/gabinete é sempre esse gostinho que chega às narinas trazendo um novo dia, as novidades do dia. Mesmo os barulhos da cidade chegam com o café e, antes dele, o seu cheiro.

A crônica seria esse agradável sabor de fragrância noviça e breve. Relativamente pontual e tão ligada ao presente. Logo surgindo e logo esvaecendo, mas sempre retomada.

A crônica, a despeito de ser chamada gênero menor, tem seu mistério. Mesmo quem não gosta de café, gosta de seu cheiro, mesmo quem não aprecia literatura ou não tenha hábito de ler, curte uma crônica. Se bem usada, a crônica traz para literatura o leitor iniciante, como o cheiro do café chama para a mesa, convida para uma boa conversa e, mesmo não o bebericando, a mesa fica rodeada e o diálogo flui.

A crônica, atrativa… logo o leitor prova de toda literatura: haicais, sonetos, poemas mais longos, contos, romances…

26 de Janeiro de 2011.
Abilio Pacheco, professor, escritor

43 respostas para “Cheiro de café”

  1. Lembrei-me do cheiro das manhãs na fazenda de meu avô. Lembrei-me do cheiro da broa de fubá exalando por toda casa.Era muito gostoso acordar assim. Bela crônica.

  2. Abílio, a sua crônica me fez muito bem, pois me fez ver o quanto os amantes do cheiro do café são parecidos. Poderíamos formar uma comunidade!
    Não sei o que seria de mim sem o cheiro do café ao acordar. Ao coá-lo, ele sobe pelas minhas narinas e se acomoda no coração, trazendo-me lembranças de um sítio já longínquo, com uma mesa imensa e farta, uma dúzia de irmãos e irmãs a rodeá-la e uma mãe italiana a nos servir na merenda matinal.
    Bom seria que os apreciadores do café (aqueles que aqui escreveram) se juntassem em uma mesa de qualquer casa, de qualquer cidade, para um diálogo sobre os prazeres que o café provoca em nós. Nada substitui a presença e o olhar, não acha?

    Abraços
    Neuza

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s