Ora o Goiás

Ora, o Goiás!

Se vou me meter numa seara perigosa… escrever é muito perigoso, parafraseando Riobaldo. Vou! Vou falar de futebol. Deveria comemorar o campeonato do meu Fluminense, mas com o tempo parece mesmo que a gente vai torcendo mais pelas pessoas que pelos clubes. Anote aí que a frase não é minha, é de Eduardo Galeano. Ou ainda falar do quanto o Goiás fez a diferença nas rodadas finais do brasileirão; em especial na última.

Prefiro, entretanto, perturbar o pensamento do leitor sobre o que pode acontecer hoje à noite. Uma coisa inusitada em termos de futebol. Um time rebaixado para a segunda divisão do campeonato nacional poderá se tornar campeão de um torneio internacional. Que o futebol é uma caixa de surpresas (e lá vou eu enchendo o texto com citações alheias) não é novidade, mas a conquista do Goiás será desconcertante.

Vejam só, não sou torcedor do Goiás, mas hoje à noite o Goiás é o Brasil (outra citação). Mais que isso, ele representa todos esses times fora do eixo sul-sudeste, representa uma alegria para torcedores que não costumam ter os nomes de seus times entre os grandes, cidadãos que não costumam ver sua região, seu estado se desenvolver ou se destacar em certos setores e atividades. Sei que exagero, mas é o que sinto. Quero vê-lo campeão (até para alegria de meu amigo Ilídio, na minha macondo – Marabá – ficar contente com seu time).

Entretanto é desconcertante. O problema é que no Brasil mesmo os times ditos grandes, não conseguem ter plantel para se sustentar em dois campeonatos. Não adianta colocar a culpa no acúmulo de torneios paralelos. Na Europa, não é muito diferente, mas lá os times montam plantéis de titulares suficientes para dois times. Houve época em que se falava até de Milan A e Milan B. Nestas terras tupiniquins, em que mal os times se sustentam com 2/3 de bom elenco, seria um luxo inimaginável.

Por isso o Goiás caiu. Por isso um time que na pior hipótese será vice. Não! Não vou nem pensar nisso… Por isso um time que será campeão hoje à noite, vai no ano que vem disputar dois campeonatos paralelos: a Copa Libertadores da América e o Brasileirão da série B. E, como deverá, a exemplo desse ano, optar por direcionar atenções, treinamentos, jogadores a uma das competições… paremos por aqui.

Isto é que digo que é desconcertante: disputar a série B e um torneio internacional. Já disse que sou amante das leis (de algumas) e disse no início do texto que ia meter-me em seara perigosa falando sobre futebol. Pois bem, caros leitores, no caso do Goiás, torço para que seja campeão. Mas torço também para que algum passe de mágica faça-o disputar paralelamente a Libertadores, o Brasileirão 2011 da série A.

Belém, 08 de dezembro de 2010.
Abilio Pacheco, professor, escritor.

5 respostas para “Ora o Goiás”

  1. Abílio,

    O Goiás não foi campeão e só ficou mesmo com o campeonato brasileiro da 2ª Divisão em 2011. O futebol, que dizem ser uma caixinha de surpresas, na maioria das vezes não passa de uma caixa de bijuterias com as mesmas jóias de sempre. Ganha não só quem tem camisa ou tradição, mas, sobretudo, poder econômico, duas coisas que se conjugaram bem no futebol brasileiro. Grande abraço.

  2. Crônica esportiva é algo que eu dificilmente imaginaria encontrar por aqui. Gosto de futebol, do esporte. Mas, não tenho paciência para assistir jogos de campeonatos brasileiros, a menos que o jogo seja muito bom. Costumo acompanhar a copa mundial, ou então assistir um jogo ali ou aqui (sem compromisso de torcedora). Aliás, se me perguntarem para quem torço direi “Brasil”. :)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s